terça-feira, 28 de março de 2017

Tudo passa...

Já faz um tempo que sigo mudando, não sei se para melhor, só sei que ao final de cada etapa, de cada obstáculo me sinto em paz. Um turbilhão de emoções, angústias, ansiedades que se dissolvem no momento que as deixo ir. Isso mesmo, EU as deixo ir. Nada mais me faz segurar sentimentos que só me causam dor. Aprendi com a vida, que o tempo passa de um jeito ou de outro e cabe a nós decidirmos o que queremos. Aprendi a não mais sofrer por fatos passageiros, mas "pera lá", tudo é passageiro! Então por que sofrer? Viver a vida não é fácil, e quem falou que era? O que não dá é para sobreviver reclamando, questionando o que não nos cabe mudar. Aprendi com a vida, a vida mesmo, não a sobrevida, que não sou obrigada a nada, que quando algo não está bom, tenho duas opções, aceitar e me adaptar para ser feliz, porque muitas vezes sair da rotina, descobrir o desconhecido, também pode ser muito bom; ou então procuro um lugar onde eu possa ser o que tanto almejo. Não posso mudar o mundo nem ninguém, posso mudar apenas eu mesma, sem mimimi... Rir à toa, rir de si, rir de ti, rir contigo, sempre rir, rir é a base do sucesso, a chave da felicidade e a arma mais poderosa contra os piores inimigos...os intelectuais "sanos". E eu continuo aqui, com minha insanidade por conta da loucura que a vida nos prega, a mesma que nos impulsiona nesse mundo doido que amo e não reclamo, pois eu escolhi nascer.
E como já disse, tudo passa, e o que levarei comigo cabe a mim escolher!!!

domingo, 22 de janeiro de 2017

Um novo ano, uma nova idade

Mal o ano começa e eu completo mais um ano de vida. Faz tempo que não apareço aqui, eu sei. Vida corrida, mais do que eu gostaria, logo eu que queria estar desacelerando. Os pensamentos mudam e as prioridades de certa forma também. Já pensei em milhares de textos para publicar, mas a preguiça fala mais alto. Quem sabe eu tento atualizar os assuntos, pois diferente do outro blog que fiz qdo tive a Bella, e que acabou virando um "croqui" de livro, esse não tem data para terminar, talvez eu finalize quando sentir que me tornei uma mãe mais desnecessária, igual um texto que li faz um tempo e é fácil encontrar no google. Por enquanto, vou usando esse cantinho, para desabafar no calor da emoção, sem edições como sempre. Voltando ao assunto original, hj completo 36 anos com muito orgulho, orgulho de muito que já fiz, de outras que me arrependi e superei, e tantas que nem sei como ainda estou aqui com mente sã, ou nem tanto (risos). Sei que se não fosse o facebook muitos ne saberiam que hoje é meu aniversário, isso não me importa, o que realmente considero e que faz a diferença, é saber do carinho de muitos e que sou importante na vida de alguns, afinal, qual o propósito da vida a não ser o fato de ser feliz e fazer o próximo feliz também? E falando nisso, é o segundo ano seguido que exatamente neste dia minha mãe encontra-se internada pelo mesmo motivo (❤). E por mais que a gente sempre brinque em desejar dinheiro, além da alegria, felicidade e muitos anos de vida o principal é a SAÚDE, que mais uma vez tornou meu aniversário nem tão agradável, então por isso, caro leitor, desejem-me saúde, que com certeza é o que mais quero, para mim, família e amigos. E para terminar, dentre tantas mensagens que recebi, duas fizeram meu dia mais feliz, não direi quem enviou, mas caso essas pessoas leiam, quero que elas saibam que ameeeeei (abaixo). E mãe, que no ano que vem a gente passe meu dia juntas de novo, só que do lado de fora do hospital, comendo uma pizza bem gostosa!!! Te amo!
Muito obrigada a todos! Muito obrigada Deus!!!
Planeta Terra, se prepara, que esse ano vou viver pra valer!!!

Mensagens que citei:
"Que continue cada ano com essa pele invejável, profissionalismo e competência de adulta, carinha de adolescente, brincadeiras de criança e coração imenso."

"Minha querida companheira, amiga, parceira de todas as horas. Muita saúde,  paz e sucesso.  Que Deus te conserve com esse profissionalismo de mulher e esse coração de menina."

domingo, 13 de novembro de 2016

Balas de morango?

Dificilmente Davi faz aquelas chatices de ficar pedindo coisas nos lugares, eis que hj eu conversando com o farmacêutico sobre um remédio para a sinusite do Douglas e ele começa pedir insistentemente por balas de morango, o homem um pouco constrangido com a situação continua falar esperando uma reação minha com Davi. Até que me irrito com ele e digo em tom firme e até um pouco mais alto que não vou comprar bala de morango coisa nenhuma. Qdo olho para as mãos dele me deparo com uma embalagem de blowtex sabor morango. Digo em tom de disfarce que não é bala e volto falar com o farmacêutico. Claro que meu filho não se deu por satisfeito, queria saber pq não podia bala se estamos no final de semana, naquela conjuntura já não dava mais para deixar para lá como sempre fiz todas as vezes que ele me pediu tais balas, pedi licença ao farmacêutico, abaixei na altura do pequeno consumidor de balas de morango e expliquei que não eram balas e sim uma coisa para o casal namorar sem a mulher engravidar. Não quis falar sobre doenças para ele não querer saber mais, tb não sei se fiz o correto, só sei que foi o que achei melhor naquele momento. Ai, ai...ser mãe é ter que se virar nos 30. Pensando bem, essas embalagens realmente são bem atrativas, qual criança nunca pediu "balas de morango"???

sábado, 5 de novembro de 2016

Meu menino do dedo verde

Não posso negar que sou abençoada por ter filhos especiais, minha Bella que sempre me ensinou que os maiores tesouros estão nas pequenas coisas, que levar uma vida minimalista pode ser o máximo. Depois surgiu Davi, e é dele que quero falar hoje. Quem conhece a história "O menino do dedo verde" talvez entenda um pouco do que quero contar. Sim, acredito que ele seja um anjo que veio nos ensinar muita coisa, foi ele que confirmou sobre o verdadeiro valor da vida. Diz cada coisa que não dá para acreditar, como diz uma amiga "ele não é criança, é um mini homem". Assim como todas as crianças, inventa algo novo a todo instante, a novidade é ser ambientalista, na verdade nem ele sabe mesmo o que quer. Quer adotar todos os cachorros de rua do mundo, quer fazer uma plantação de comidas e flores, quer fazer casinhas para alimentar passarinhos e cuidar de todos os animais, crianças e vovós (palavras dele). Quem convive com ele, sabe que é sensível, curioso, inteligente, engraçado e agitado, tal agitação me fez pensar em como canalizar essa energia toda, foi então que ele pediu para plantar. Passamos o dia na rua, compramos mudas, terra, casa e comida de passarinho, ganhamos esterco e adubo da nossa amiga Maira e aí está o resultado (foto). Ah! Já ia me esquecendo, ele queria aprender jogar bolinha de gude, e não é que o vô ensinou? Enquanto alguns correm em direção a tecnologia, outros se divertem voltando aos anos da infância minimalista. E o meu Tistu, é o meu anjo! Meu Davi do dedo verde! 🍀

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Simplicidade infantil

Para quem já nos conhece, sabe que amo fazer arte com meus filhos, que evito comprar brinquedos prontos para que possamos criar juntos com qualquer tipo de material, vai muito do momento. Com isso, o Davi pegou o gosto pelas coisas simples, pelo que podemos criar e soltar a imaginação. Aqui em casa, assim como em muitas outras, sexta-feira é o dia do brinquedo na escola, e toda semana, nesse dia, é um parto até ele decidir o que levar. Primeiro pq ele não tem muitos mesmo, a cada brinquedo que ele ganha são dois que vão para doação, segundo pq ele nunca sabe o que escolher, já que parece não se sentir a vontade com brinquedos prontos. Eis que semana passada, ele desce do quarto com uma tampinha de brinde daquelas máquinas de moedas e o cadarço da calça da irmã. Na hora imaginei o que viria a seguir, mesmo assim resolvi perguntar o que ele estava levando, já que como mãe que sou, queria proteger de possíveis chacotas de colegas que poderiam não compreender esse lado dele. Com toda a calma, segurança e confiança do mundo ele respondeu exatamente assim: "estou levando essa coisa e essa corda pq tem muitas possibilidades". Meu instinto de mãe leoa continuava em alerta quando perguntei se ele tinha certeza e de novo ele foi firme em sua resposta, dizendo que daria para fazer balanço, estilingue...foi então, que meu instinto de mãe coruja, me fez quase chorar de tanta alegria. A convicção dele foi tão intensa que ao chegar na escola os amigos queriam ver o que ele tinha levado e queriam brincar com " aquelas possibilidades". A vida dos adultos é mesmo complicada, nos preocupamos demais com o que os outros vão achar, deixamos de lado a beleza das pequenas coisas e perdemos nossa criatividade. Diante disso, só posso terminar essa postagem agradecendo ao meu filho e todas as crianças, que mostram diariamente o lado bom da vida, a simplicidade infantil.